O dragãozinho traz textos de cultura pop, abordando temas como livro, filmes, séries e quadrinhos, além de alguns posts de assuntos diversos.

Lobo de Rua – Jana P. Bianchi [Resenha]


Banner Lobo de Rua

Raul é um morador de rua, um homem invisível e desgraçado como tantos os outros. Como se sua desgraça não fosse suficiente, Raul contrai a maldição da licantropia, tornando-se um lamentável lobo de rua. Tito Agnelli não compartilha do abandono de Raul, mas conhece muito bem a sensação de ser rasgado por dentro, todos os meses, pela coisa vil que se abriga nele. Assim, compadecido com o sofrimento do recém-transformado, Tito acolhe Raul na Alcateia de São Paulo, extinta até então por falta de lobisomens residentes na Pauliceia.

Dame Blanche


Lobo de Rua

Lobo de Rua é uma novela nacional escrita por Jana P. Bianchi e recentemente publicada pela editora Dame Blanche (ela havia sido autopublicada anteriormente). O livro não é longo, contando a história de Raul, um garoto que vive na rua e acaba por ser transformado em lobisomem. A história se passa durante um período bem curto, deixando espaço também para explicações sobre como a licantropia funciona no universo e para explorar o psicológico das personagens. Devo dizer que gostei bastante da forma como a licantropia foi elaborada na história, fugindo um pouco do padrão e se adaptando melhor a uma história mais urbana e atual.

“Sabe-se, através de relatos catalogados, que lobisomens em jejum prévio são capazes de ingerir até três vezes a massa do indivíduo não transformado. O aspecto positivo do consumo da carne humana é sua metabolização acelerada, promovida pelos efeitos curativos da transformação da manhã pós-lua. O aspecto negativo é seu efeito alucinógeno, cuja natureza, crê-se, oscila entre metabólica, esotérica e espiritual.”

No geral, o livro é bem diferente das histórias de lobisomens que estamos mais acostumados. Ele não tem ação, batalhas ou grandes correrias. Embora utilizando de elementos fantásticos, ela se propõe a ser uma história mais realista. As transformações são grotescas e sem enfeites, e ser um lobisomem não acaba se mostrando divertido no final. Também tem um grande foco no lado humano das personagens e nos efeitos que a licantropia tem sobre as pessoas, explorando bastante o lado psicológico.

“O registro da desgraça eterna do menino não podia ser mais apropriado: manchando sua cama improvisada, a lágrima de sangue simbolizava, ao mesmo tempo, o desamparo de seu presente e a maldição que o aguardava no futuro.”

Abrindo cada um dos capítulos, há alguns trechos de um livro que teria sido escrito por um pesquisador, dando explicações sobre a natureza dos lobisomens. A história se passa em São Paulo e utiliza de diversos locais existentes para ser ambientar. Além disso, me chamou atenção as referências brasileiras ao longo da história, como menção à Globeleza, jornais locais e eventos históricos, o que acredito ter dado um charme especial, já que estamos tão acostumados a referências a ruas ou acontecimentos famosos de Londres e Nova Iorque.

“Justamente o que faz São Paulo tão apaixonante: a cidade é tão grande e populosa que tudo pode acontecer na surdina, por detrás dos panos.”


DetalhesLobo de Rua

Título original: Lobo de Rua

Autor: Jana P. Bianchi

Gênero: Fantasia/Terror

Páginas: 89

Editora: Dame Blanche

Publicação: 2016

Relacionados

Have any Question or Comment?

Deixe uma resposta