O dragãozinho traz textos de cultura pop, abordando temas como livro, filmes, séries e quadrinhos, além de alguns posts de assuntos diversos.

Limbo – Thiago d’Evecque [Resenha]


Banner Limbo

O Limbo é o lugar para onde mortos, anjos e deuses esquecidos vão esperar o fim dos tempos, o Dia do Juízo Final, o Ragnarok ou como eles preferirem chamar. Embora o pano de fundo utilizado para a história central seja os mitos judaico-cristãos, o livro também traz personagens de origem japonesa, chinesa, africana, nórdica, inglesa, e por aí vai.

“O plano infinito que se adaptava à mente dos espíritos. Onde as criaturas não humanas eram condenadas, onde o lar dos deuses esquecidos se conectava com a morada dos que ainda tinham seguidores. Onde o lar dos anjos se conectava com o dos mortos. A fronteira final.
O Limbo.”

Somos apresentados a um protagonista misterioso que é acordado de seu sono profundo para cumprir uma missão: enviar 12 pessoas de volta para a Terra com o objetivo de salvar os humanos que, para variar, correm o risco de acabarem com a humanidade.

Ao longo da história vamos sendo apresentados a essas 12 pessoas. Um dos maiores atrativos do livro está nessas 12 personagens serem figuras (supostamente) reais, tiradas de mitologias e mitos de diversos locais, ao invés de personagens originais criadas para o livro. As histórias deles também foram alteradas em alguns casos para se adaptarem melhor ao contexto (e no geral, ficaram melhores que as originais).

Nosso protagonista, como um bom personagem misterioso, tem algum passado obscuro do qual não se lembra e também não possui uma forma física definida, visto que não sabe quem é (e o Limbo se adapta à mente dos espíritos). Conforme ele vai percorrendo sua jornada e suas lembranças vão voltando aos poucos, vamos descobrindo seu passado junto com ele. E no final, a descoberta vale todo o suspense.

“Em 12 de dezembro de 2012, na Terra, uma criança fez 12 anos às 12h12. A maioria o ignorou, como uma sociedade esclarecida faz na maioria das vezes. Mas alguns o encararam como O Escolhido, a volta do messias salvador, enquanto outros o viam como um sinal claro do apocalipse. Como não amar os humanos?”

A história é narrada em primeira pessoa e conta com um narrador muito divertido. O protagonista também tem a companhia de um deus abissal esquecido, dando uma boa movimentada para a jornada que seria solitária sem ele, rendendo ótimos diálogos entre os dois. Além disso, o deus é sexista e racista, o que levanta algumas questões bem interessante, por mais que não tenha esses assuntos como tema principal.

O livro também conta com diversas referências muito bem escondidas que não atrapalham quem não as entender (um cuidado muito interessante que o autor teve). As referências são diversas, como Final Fantasy, Lovecraft, Douglas Adams, entre outros.

“O destino não faz nada por ninguém. É uma ilusão. Você cumpre seu papel e espera sua fatia justa do bolo no final do dia. Mas não há justiça.
O bolo é uma mentira.”

Embora a história comece um tanto simples, conforme o personagem vai descobrindo mais sobre seu passado, o mistério vai ficando mais interessante e a história começa a ganhar uma cara nova, se tornando algo bem maior e chegando a um final surpreendente, além de deixar a história dos anjos muito mais divertida que a original.

O livro é curto e a escrita é simples, sendo uma leitura bem rápida e que vale muito a pena.

“Você fica achando que a vida é uma grande piada só para morrer e perceber que o show continua.”

O autor também preparou uma playlist para ouvir enquanto lê o livro.


DetalhesCapa Limbo

Título original: Limbo

Autor: Thiago d’Evecque

Gênero: Fantasia

Páginas: 165

Editora: Independente

Publicação: 2015


Essa resenha faz parte do projeto Clube do Livro de 2017, e foi a leitura de fevereiro, onde o desafio era ler um livro com apenas uma palavra no título. Você pode conferir as resenhas dos demais participantes nos links abaixo:

Relacionados

Have any Question or Comment?

2 comments on “Limbo – Thiago d’Evecque [Resenha]

Não tenho coragem de ler livros com essa temática, fico assustada, hahah!

Reply

Como assim essa história maravilhosa cabe em 165 páginas?! Não deixou aquele gostinho de quero mais? Definitivamente esse livro vai pra minha lista <3

Garota do 330

Reply

Deixe uma resposta